Santo Agostinho – História, Oração e Lista de Santuários

Santo Agostinho é um dos nomes mais conhecidos da religião católica. Ele nasceu no século IV e, além de teólogo, foi um escritor renomado. Ao longo de sua vida, participou de religiões pagãs, mas depois de convertido ao ministério de Deus tornou-se referência nos estudos sagrados.

Ao longo da vida, ele realizou sermões e lutou contra as manifestações de heresia, sendo muito admirado pelos fiéis da sua época.

Até hoje, as pessoas fazem orações com pedidos de ajuda e também agradecem pelas bênçãos recebidas por intermédio do santo. Em homenagem a ele existem diversas igrejas espalhadas pelo Brasil e mundo.

santo agostinho

A história de Santo Agostinho

No mês de novembro de 354 nascia Aurélio Agostinho, alguém que mais tarde seria conhecido no mundo inteiro como Santo Agostinho. O religioso era da cidade de Tagaste, na África, local que hoje corresponde à Argélia.

Infância e adolescência

Santo Agostinho era filho de uma mulher muito religiosa, porém seu pai era pagão e não ligava para a fé cristã. O menino, quando nasceu, não foi batizado e durante a adolescência era muito ligado aos prazeres da carne.

Quando tinha mais ou menos 16 anos, Agostinho já havia entrado em contato com orgias e festas de vários tipos. Por causa da vida leviana, os pais resolveram enviar o adolescente para estudar em Cartago, onde se dedicou bastante ao aprendizado.

No início da vida adulta, Agostinho aderiu à seita do maniqueísmo, que prega o mundo sendo dividido entre mal e bem. Ele também teve um longo relacionamento de 13 anos com uma mulher de Cartago e um filho chamado Adeodato.

Com o passar dos anos, tornou-se professor de retórica e abriu uma escola em Roma. O empreendimento não deu certo e o rapaz começou a ficar decepcionado com a vida. Foi nesse momento que ele entrou no cenário religioso.

Atuação religiosa

O contato intenso com o bispo Ambrósio foi uma forte influência para Agostinho entrar no sacerdócio da Igreja Católica. Nesse período terminou seu relacionamento amoroso e começou a fazer pregações.

Ele manteve amizade com o bispo de Hipona e depois da morte deste, assumiu o posto local. Por essa razão é chamado de Santo Agostinho de Hipona.

Na vida religiosa, escreveu várias obras e lutou contra heresias e diversas seitas, incluindo o maniqueísmo. Enquanto sacerdote também passou por várias perdas: sua mãe morreu e também seu filho. Mesmo assim, Agostinho manteve-se fiel a Deus.

Obras

Ao longo da vida, o bispo de Hipona escreveu mais de 200 livros divididos em 93 obras. A mais famosa delas é Confissões que fala sobre as experiências que passou na vida, incluindo sua conversão ao cristianismo.

Outro livro muito conhecido é A Cidade de Deus. A obra divide o mundo em dois planos: o espiritual e o terreno. Ela aborda questões de ordem filosófica e religiosa, com temas relacionados à morte, ao direito, pecado e aos conceitos do bem e mal.

Morte

Santo Agostinho de Hipona morreu aos 76 anos em sua cidade natal durante uma invasão das tropas dos Visigodos (povos bárbaros germânicos). Os seus restos mortais estão na Igreja de San Pietro in ciel d’Oro, na Itália. Um santuário criado em 1132 e dedicado a São Pedro.

A história de Santo Agostinho inclui diversas experiências e erros até encontrar o caminho de Deus. Hoje, ele continua sendo admirado e é tido como um pensador importante.

Santuários e paróquias mais conhecidas dedicadas a Santo Agostinho

  • Paróquia Santo Agostinho (SP)

Situada na cidade de São Paulo, no bairro da Liberdade, a paróquia é uma das mais antigas do país. Ela começou a ser construída em 1911 e tem hoje seis capelas laterais.

Na decoração destacam-se as pinturas e afrescos feitos por vários artistas, incluindo o espanhol Pedro Antonio. Há também diversos vitrais que retratam a vida de Santo Agostinho. Os altares foram entalhados com mármore italiano e madeiras nobres.

A paróquia realiza sermões, batismos, casamentos, catequese e recebe confissões.

  • Paróquia Santo Agostinho e Santa Mônica (PR)

A ideia para a construção da paróquia remonta ao ano de 1959, sendo sugerida pelo Pe. Rafael durante um encontro de casais do Movimento Familiar Cristão.

A igreja começou a se erguer no ano de 1965, medindo apenas 12m X 12 m e feita de madeira. Hoje, o local está bem maior e realiza missas regulares. A paróquia está na cidade de Curitiba e tem ações sociais, grupos de música, além de eventos voltados à família e juventude.

  • Paróquia Santo Agostinho (RJ)

A Paróquia Santo Agostinho está em Volta Redonda, no Rio de Janeiro. Ela é um pequeno centro religioso, mas atrai vários fiéis da localidade.

  • Basílica de Santo Agostinho (Roma)

Uma das unidades religiosas mais importantes relacionadas a Santo Agostinho é a basílica localizada em Roma. Ela foi fundada no ano de 1483 e tem importantes obras de arte. Uma delas é a pintura Madonna di Loreto, criada por Caravaggio na época do período barroco.

Além dos detalhes da decoração e arquitetura — idealizada por Baccio Pontelli —, o local tem grande importância por causa o túmulo de Santa Mônica. Os restos mortais da mãe de Santo Agostinho estão abrigados dentro da basílica.

Oração de Santo Agostinho

Quando estiver em uma das igrejas dedicadas a Santo Agostinho de Hipona, você pode realizar essa oração.

“A morte não é nada.

Apenas passei ao outro mundo.

Eu sou eu. Tu és tu.

O que fomos um para o outro ainda o somos.

Dá-me o nome que sempre me deste.

Fala-me como sempre me falaste.

Não mudes o tom a um triste ou solene.

Continua rindo com aquilo que nos fazia rir juntos.

Reza, sorri, pensa em mim, reza comigo.

Quem o meu nome se pronuncie em casa como sempre se pronunciou.

Sem nenhuma ênfase, sem rosto de sombra.

A vida continua significando o que significou: continua sendo o que era.

O cordão de união não se quebrou.

Porque eu estaria fora de teus pensamentos, apenas porque estou fora de tua vista?

Não estou longe, somente estou do outro lado do caminho.

Já verás, tudo está bem.

Redescobrirás o meu coração e nele redescobrirás a ternura mais pura. Seca tuas lágrimas e se me amas, não chores mais.”

Veja também: